quarta-feira, 25 de março de 2015

ANA DO GÁS SUGERE QUE ASSEMBLEIA LEGISLATIVA DO MARANHÃO TENHA 217 DEPUTADOS

AUMENTO DE PARLAMENTARES PROVOCARIA GASTOS DE QUASE R$ 31,4 MILHÕES POR ANO AOS COFRES PÚBLICOS

Ana do Gás sugere que Assembleia Legislativa do Maranhão tenha 217 deputados

   Enciumada com o tratamento dado a alguns e dispensado a outros parlamentares do Legislativo do Maranhão, por parte de secretários de Estado e do próprio governador Flávio Dino (PCdoB), a deputada Ana do Gás, do PRB, sugeriu, na manhã dessa terça-feira (24), que a Assembleia abrigue em suas dependências o total de 217 deputados estaduais, sendo um para cada município do estado.

Casal de Santo Antônio dos Lopes continua sendo ignorado pelo governo estadual
Pré-sal - Casal de Santo Antônio dos Lopes continua sendo ignorado pelo governo estadual
- São muitos colegas e feliz seria o povo se esta Casa tivesse 217 lugares para cada deputado representar o município, porque se discutiriam poderes que são dados no governo, dividindo [deputados] até em alto e baixo clero - defendeu.
A sugestão de Ana do Gás, que geraria gastos de quase R$ 31,4 milhões a mais para os cofres públicos, por ano, só para bancar os salários dos parlamentares, verbas rescisórias, salários dos assessores e custo de manutenção de gabinetes, foi feita logo após a deputada reclamar ter esperado cerca de cinco horas para poder conversar com o secretário estadual de Saúde, Marcos Pacheco, e da negativa do ex-ocupante da mesma pasta, Ricardo Murad, na construção de um hospital do município Santo Antônio dos Lopes, administrado por seu esposo, Eunélio Mendonça, do PSD.
No tocando aos 'cleros', a parlamentar se referia a uma distinção entre os deputados estaduais do Maranhão, feita pelo Executivo do estado por ondem de importância para o governo, e por jornalistas que cobrem a Casa por ordem de desempenho na Assembleia.
Na linha hierárquica, a divisão é feita em deputados que se enquadram no 'altíssimo clero', 'alto clero', 'médio clero', 'baixo clero', 'baixíssimo clero' e o mais rebaixado de todos, o 'pré-sal', onde Ana do Gás estaria encaixada tanto pelo governo e seus secretários, como pelos profissionais da imprensa maranhense.