quarta-feira, 15 de julho de 2015

A MÁFIA DOS ÓRGÃOS HUMANOS

ELES MATAVAM OS PACIENTES POBRES E VENDIAM OS ÓRGÃOS AOS PACIENTES RICOS E AINDA PROTESTAVAM CONTRA O MAIS MÉDICOS
Foto de Heloisa Curado.
MÉDICOS OU MONSTROS?

Três médicos envolvidos no caso conhecido como “Máfia dos Órgãos” foram presos nesta segunda-feira (23), em Poços de Caldas, na região Sul de Minas Gerais. Eles são acusados de retirar e comercializar ilegalmente órgãos de um homem de 41 anos, que faleceu em 2001.

Segundo a Polícia Civil, os mandados de prisão contra João Alberto Góes Brandão, Cláudio Rogério Carneiro Fernandes e Jeferson André Saheki Skulski foram expedidos pela Justiça e cumpridos pela Polícia Militar. O trio foi levado para a Delegacia de Polícia Civil de Poços de Caldas e encaminhado ao presídio da cidade. O delegado responsável pela prisão não quis falar sobre o caso.

A acusação é que que eles teriam retirado as córneas e os rins de Paulo Lourenço Alves, de 41 anos, no Hospital Santa Casa de Poços de Caldas. O julgamento do caso foi realizado em julho de 2014, na mesma cidade.

Os médicos João Alberto Góes Brandão e Cláudio Rogério Carneiro Fernandes já foram condenados em outros casos semelhantes, como o da morte e retirada de órgãos do menino Paulo Veronesi Pavesi, de 10 anos, também em 2001.

Relembre o caso da Máfia de Órgãos


Quatro médicos já foram condenados, em fevereiro de 2013, por envolvimento em um esquema de tráfico de órgãos em Poços de Caldas. Alexandre Crispino Zincone, de 48 anos, foi condenado a 11 anos e seis meses de prisão; João Alberto Goés Brandão, de 44, Celso Roberto Frasson Scafi, de 50, e Cláudio Rogério Carneiro Fernandes, de 53, foram condenados a oito anos cada.

Além deles, foram denunciados ainda Félix Herman Gamarra Alcantara, de 71 anos, e Gérsio Zincone, de 77. Entretanto, os dois não chegaram a ser julgados porque o crime prescreveu. Os seis médicos foram acusados pelo Ministério Público por transplante irregular e remoção de órgãos de um paciente do Sistema Único de Saúde (SUS) - José Domingos de Carvalho, em 2001.

Com as condenações, um inquérito sobre a morte de Carlos Henrique Marcondes, o “Carlão”, que era administrador do Hospital Santa Casa até 2002 foi reaberto. Ele foi encontrado morto dentro do carro com um tiro na boca e, na época, os peritos teriam dito que ele foi vítima de suicídio. 


Santa Casa de Poços de Caldas - Divulgação
A maior parte das ilegalidades investigadas ocorreram na Santa Casa, de Poços Caldas
 A matéria é do dia 23 de março de 2015. Casos importantes como esses não tem repercussão nas grandes mídias porque os mesmos médicos estavam à frente dos protestos contra o PROGRAMA MAIS MÉDICOS do GOVERNO DILMA ROUSSELF, e as mídias do país hoje colaboram com esse tipo de crime quando ficam caladas para esse tipo de eventos acontecidos.

 ABRA OS OLHOS ENQUANTO É TEMPO!

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Política de moderação de comentários:
A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro pelo conteúdo do blog, inclusive quanto a comentários; portanto, o autor deste blog reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal / familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.