quinta-feira, 13 de agosto de 2015

JOVEM ESCREVEU CARTA ANTES DE MORRER

Jovem que morreu enforcada em Lago da Pedra deixa carta explicando o motivo da tragédia

CASAL
A mulher que amou seu marido muito mais que a si própria e seu filho. 
Assim era Geysa, a jovem de 18 anos que na última segunda-feira dia 10 de agosto, tirou a própria vida, usando uma corda para se enforcar na cidade de Lago da Pedra.

ENTENDA O CASO:

A dona de casa Geysa de Sousa Gomes de 18 anos de idade, tirou sua própria vida na última segunda-feira dia 10.  Era por volta das  22:00 quando tudo aconteceu, na casa onde ela morava com a irmã e seu filho o pequeno Carlos Eduardo de apenas 1 ano e 4 meses, na rua beija-flor no bairro Vieira Neto em Lago da Pedra-MA.
Na hora da chegada do caixão


A tragedia abalou toda cidade, pois a mesma teria perdido o marido Antonio Carlos(Dunga) em um acidente de transito na mesma cidade onde morava na noite do dia 4 de julho do ano em curso.

Segundo os vizinhos: Geysa ficou com princípios de depressão e não estava tendo acompanhamento psicológico, a não ser as amigas/vizinhas aconselhando a levantar a cabeça e ter fé em Deus, que ela tinha um filho pequeno para criar.
Geysa

De acordo com informações, Geysa sempre ia ao túmulo do marido, e que também sempre era encontrada aos prantos.
Na noite de segunda feira dia em que morreu, Ela estava conversando com amigos(o) no terreiro da casa de um de seus vizinho e muito alegre e sorridente e que em momento algum demostrava sinal de tristeza.
Era perto das 22:00hs quando Geysa e sua irmã, entraram pra dentro de casa dizendo que iam dormir, mais  o que não se esperava era que uma simples despedida de boa noite para os amigos pudesse se transformar em tragédia minutos depois.

Local da tragédia

Segundo a irmã; ela e Geysa entraram para seus quartos para dormir, e por isso apagaram as luzes da casa.  A irmã  teria se levantado para  ir ao banheiro, e quando chegou na passagem da sala para a cozinha, que acendeu a lampada, se deparou com uma triste cena, sua irmã dependurada pelo pescoço em uma corda que servia de balançador para  o pequeno Carlos Eduardo.

A irmã saiu correndo para pedir ajuda, e logo os vizinhos que ainda estavam acordados entraram na casa  para ajudar, só que a jovem já estaria morta, era tarde demais.
Trecho da carta


A noticia logo se espalhou por toda cidade através da rede social(internet) e muita gente compareceu ao local da tragedia, que foi a rua beija-flor no bairro Vieira neto em Lago da Pedra-MA.

Inacreditavel:

 De acordo com informações de uma vizinha, Geysa teria confessado pra ela, que quando em vida, os dois conversando, Antonio Carlos(marido) teria dito para ela(esposa) que se morresse primeiro do que ela, ele a vinha buscá-la.

Sobrenatural: 

A vizinha que estava em estado de shok, falou que ela foi a primeira pessoa  depois da irmã de Geysa, a chegar no local onde a jovem estava dependurada ainda com a corda no pescoço, e que ela(vizinha/amiga) quando olhou que viu a amiga dependurada pelo pescoço e já morta, ao mesmo tempo que olhava para aquela cena terrível, enxergava também o finado Antonio Carlos, marido da Geysa e que morrera a um pouco mais de mês, ao lado da esposa segurando em sua mão.
A carta
A CARTA: Geysa antes de morrer chegou a escrever uma carta, que foi encontrada logo após sua morte.

Na carta ela pede perdão a Deus, pelo ato que iria cometer, diz que nada de seu filho é pra dar pra ninguém, que seu filho deve ser criado por sua mãe(vó materna) que não aguentava mais aquela  dor,  e que iria esperar por seu filho ao lado do pai(marido), pediu ainda que fosse sepultada ao lado do marido.

Bomba: 

Vizinhos afirmam que Antonio Carlos, o "Dunga", nunca fora um marido bom para a esposa, que sempre saia pra tomar umas e outras e que quando chegava já tarde em casa, era abusando, judiava muito com a esposa, deve ser por este motivo e razão que a família dela não gostava de seu marido.

Mesmo assim; Geysa amava muito o marido, a ponto de tirar a sua própria vida, abdicando-se do direito de ficar ao lado do filho,  o pequeno Carlos Eduardo, que na sua cabeça, morrendo, iria ficar ao lado do marido amado.

O fato abalou toda cidade e está sendo a noticia mais comentada pelo  absurdo cometido pela jovem.

O que teria levado essa jovem a cometer  o suicídio?

E agora? Com quem você acha que deva ficar com a guarda do filho do casal(morto)?

Para a justiça, avós, não são parentes.

Veja agora a carta e trechos destacados

Na parede da casa
Nas paredes, declarações de amor
Versos e poesias escritas por Geysa após a morte do marido



Nenhum comentário:

Postar um comentário

Política de moderação de comentários:
A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro pelo conteúdo do blog, inclusive quanto a comentários; portanto, o autor deste blog reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal / familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.